sábado, 14 de abril de 2012

Da volta da maré.

Em tempos idos, quando a vida ia bem, eu costumava dizer "tá tão bom que dá medo". Vivia essa constante - coisa boa não dura. Me enchia de pavores jurando que tava pronta pra volta violenta da maré. Praquela ressaca fenomenal da vida.

Meu psicólogo acha que, se era defesa, era um instinto burro e sem propósito, que ao invés de me aprontar pra volta da maré me deixava esperando na praia fazendo a dança da chuva, querendo que a maré virasse a qualquer custo. E se não virasse por si só, obra e força da natureza, cabia a mim ir lá e alterar o sentido das coisas. Porque eu acreditei, por anos, que se tava ruim era porque ia piorar.

Hoje, hoje a coisa tá boa sem dar medo. E se o medo vier, se a maré virar, só penso em aproveitar o segundo infinito que precede o afogamento. Não tem mais essa de esperar que dê errado. Como disse, espero somente por dias ainda melhores.

E olha que eles vêm. Eles são.

2 comentários:

Míriam disse...

Oi Dani! Peguei o link do seu blog lá no facebook. Amo blogs, porque pra mim são mais sinceros que aquela m* do facebook. já coloquei o seu nos meus favoritos! Saudades ENORMES de vc e daquela época em que tudo era bem menos difícil que hj hehe. Visita o meu blog se quiser! bjss mimi miriamguimaraes.com.br

Luana disse...

Sempre inspiradora.... Adoro!